IMG_4817 site.jpg

História

2011

Fundado em 26 de fevereiro de 2011, o time iniciou com o nome de Dois Vizinhos Red Feet, formado por 13 atletas da cidade do Sudoeste do Paraná. Em julho daquele ano mais atletas se juntaram ao time que somou 40 integrantes. A primeira partida da equipe aconteceu em 31 de julho de 2011 em Dois Vizinhos, contra a equipe de Cascavel Red Snakes, e vitória do Red Feet por 22 x 6.

2012

Em 24 de agosto de 2012, o time Pato Branco Ducks iniciou seus treinos com Dois Vizinhos Red Feet. Neste mesmo período alguns atletas de Francisco Beltrão se interessaram em participar das atividades do time.

Em 1º de dezembro de 2012, com o time chegando a ter mais de 60 atletas das cidades de Dois Vizinhos, Pato Branco e Francisco Beltrão, decidiu-se criar o Sudoeste Red Feet, com o intuído de representar todo o Sudoeste do Paraná.

2013

No ano de 2013 a equipe passou por uma mudança importante, evoluindo da categoria off pads para full pads (equipamento completo), com o objetivo de disputar o campeonato Paranaense promovido pela FPFA.

Com a crescente divulgação atletas de Marmeleiro integraram-se a equipe e, a partir de então, todo o ano seletivas passam a ser realizadas com o objetivo de atrair mais adeptos ao esporte.

No dia 9 junho 2013 o Sudoeste Red Feet viajou a Londrina para jogo half pads (jogado apenas com o shoulder pads) contra o Londrina BristleBacks, retornando com a vitória por 23 x 8.

Com participação confirmada na Copa Integração Paraná 2013, o Red Feet realizou seu primeiro jogo oficial full pads no dia 6 de outubro em Maringá contra o Maringá Pyros, com derrota por 29 x 21. E no dia 19 outubro nova derrota em casa para o Foz do Iguaçu Black Sharks por 13 x 7, que eliminou a equipe da competição. Esse jogo contra o Black Sharks foi o primeiro full pads do Sudoeste.

2014

No ano de 2014 aconteceu um dos jogos mais difíceis do Sudoeste Red Feet. Dia 2 de fevereiro a equipe viajou a Curitiba com somente 25 atletas para enfrentar a equipe recém-formada do Paraná HP Futebol Americano (fusão entre os times da capital Hurricanes e Predadores), na ocasião com pouco mais de 100 atletas e se preparando para o Paranaense daquele ano. O Red Feet perdeu por 56 x 12, mas houve um aprendizado, com uma melhor técnica e identificando melhor seus pontos fracos.

Neste mesmo ano foram cedidos jogadores ao Curitiba Guardian Saints para a disputa do Paranaense, os quais ajudaram a equipe obter sua primeira vitória no certame.

Em 13 de agosto de 2014 o Red Feet viajou a Ijuí (RS) para um amistoso com Ijuí Dronese e voltou com a vitória por 34 x 14. No dia 19 outubro acontece o último jogo do ano, em casa na cidade de Pato Branco, com derrota no tempo extra para o Curitiba Guardian Saints pelo placar 12 x 6.

2015

Em 2015 devido à dificuldades financeiras, falta de apoio e patrocínio o Red Feet não promove ou participa de nenhum jogo, somente empresta atletas para o Unicentro Knights de Irati (PR) para poderem participarem novamente do Campeonato Paranaense e adquirirem experiência.

No cargo de presidente do time desde 2012, Ricardo Roger Schaukoski passa a função para Luiz Otávio Quadros.

2016

O ano de 2016 foi especial, começando com uma viagem, em março, para São Miguel do Oeste (SC) enfrentar o São Miguel Indians, em partida finalizada com a vitória por 36 x 8.

No meio do ano começa a 1ª Copa Fronteira (idealizada por integrantes do Red Feet), com o primeiro jogo acontecendo no dia 12 de junho em Cascavel (PR), com vitória do Sudoeste Red Feet 8 x 2 sobre o Cascavel Olympians. Dia 31 de julho nova vitória, em casa em jogo realizado em Marmeleiro (PR), contra o São Miguel Indians por 8 x 6. No dia 7 de setembro acontece a classificação para a em viagem a Palotina para enfrentar o Palotina Celtics. O Red Feet vence por 26 x 0. No dia 27 de novembro veio o tão esperado título da 1ª Copa Fronteira de Futebol Americano. A final aconteceu na cidade de Marmeleiro (PR) com vitória Sudoeste Red Feet por 13 x 6 sobre o Cascavel Olympians, encerrando o ano de 2016 com a equipe invicta.

2017

O ano de 2017 inicia com grandes novidades. A começar pelo novo presidente: Mateus Brasilino.

Fortalecendo um apoio já existente com a prefeitura de Francisco Beltrão, o time muda de nome e passa se chamar Francisco Beltrão Red Feet (com direito a um novo logo), tendo como sede oficial e campo de treinos o campo do Complexo Esportivo João Cantu, no bairro São Cristóvão, onde dispõe de traves, vestiário e banheiro.

Outra novidade é a inscrição no Campeonato Paranaense. Para a primeira participação o Red Feet contou com alguns reforços, como a estreia de Carlos Alves como head coach e a participação de alguns atletas do Foz do Iguaçu Black Sharks, que não disputaria o certame.

Carlos Alves, conhecido no mundo do futebol americano como Carlinhos, ex-atleta que se tornou arbitro de renome, teve o auxílio de Diego Maehler na defesa e Idiomar Telles no ataque, além de Evandro Grando.

A parceria se mostrou acertada e o time contabilizou apenas uma derrota, fora de casa, garantindo assim um inédito terceiro lugar num dos campeonatos mais disputados do país, tendo como adversários atletas de seleção brasileira.

O Francisco Beltrão Red Feet venceu o Palotina Celtics por 31 x 0 fora de casa, o Cascavel Olympinas por 19 x 6 em casa no Estádio Anilado (com um público de mais de 1.500 pessoas) e o Londrina Bristlebacks por 10 x 8 fora de casa. A derrota para o Paraná HP nos playoffs por 38 x 6, em Curitiba, tirou o time de uma improvável final.

Essa campanha garante o convite para a disputa do primeiro Pinhão Bowl, e que a disputa seja realizada em sua própria casa, no campo do Complexo Esportivo Arrudão.

O jogo contra o Curitiba Guardian Saints foi difícil e de placar baixo, 9 x 0 para o time da casa, levando o Red Feet ao segundo título de sua história. Com a vitória o técnico Carlinhos e o pessoal de Foz do Iguaçu declararam sua missão cumprida.

No segundo semestre quem assume como head coach é o ex-atleta do Mateus Bressiane, para a disputa da segunda edição da Copa Fronteira.

Com três vitórias (16 x 0 sobre o Guarapuava DarkWolves fora de casa, 17 x 9 sobre o Indians no Arrudão e 25 x 2 novamente sobre o DarkWolves, mas no Arrudão), o time conquista uma vaga na final contra o Indians, deixando escapar o bicampeonato no jogo realizado em São Miguel do Oeste (SC) que terminou com o placar de 10 x 0 para a equipe catarinense.

Destaques

O ano de 2017 foi marcado ainda por alguns destaques individuais, como o atleta Gazinho (emprestado do Black Sharks), com um touchdown de 105 jardas escolhida uma das melhores jogadas do ano pelo site Salão Oval, e também uma citação para um atleta brasileiro que poderia estar jogando nos EUA. O quarterback Luiz Savoldi, o Mãozinha, que ficou em terceiro lugar como atleta ofensivo no Campeonato Paranaense, a frente de atletas norte-americanos, que jogam no Paraná. E também o kicker Igor Fieira, melhor atleta paranaense nos times especiais.

2018

O Francisco Beltrão Red Feet entrou no ano de 2018 com eleição de nova diretoria, liderada por Eva Adriana Petry, e novos atletas, admitidos em seletiva realizada em fevereiro.

Em seu segundo ano no Paranaense, mesmo com uma rápida preparação da equipe técnica, o Red Feet conseguiu chegar novamente aos playoffs.

O primeiro jogo foi em casa, no dia 3 de março, contra Guarapuava DarkWolves e mais uma vitória, desta vez por 15 x 12. No dia 17 de março a equipe viajou à Maringá (PR) para o confronto contra o Pyros, sendo derrotada por 38 x 0. A vaga nos playoffs foi conquistada em casa, no dia 15 de abril, contra Foz do Iguaçu Black Sharks, num jogo com muita chuva em que as defesas tiveram boa atuação e que o Red Feet venceu com apenas um field goal (3 x 0).

No jogo que definiu os finalistas do Paranaense daquele ano foi realizado em Curitiba e vencido Curitiba Brown Spider por 43 x 0. A equipe voltou para casa com um 5º lugar no Paranaense que teve a participação de 12 equipes.

Após o estadual foi realizada nova seletiva para atletas visando participação na Copa Fronteira 2018 (teve um formato de Recopa entre os campeões Red Feet e Indians), que teve seu primeiro jogo dia 26 de agosto no Arrudão. A vitória sobre o Indians veio pelo placar de 9 x 6. O segundo jogo foi em Santa Catarina (29/9) com vitória do Indians por 26 x 18. A final aconteceu em Francisco Beltrão com o título ficando com os visitantes pelo placar de 16 x 12.

Esse jogo marcou a estreia no novo uniforme, substituindo o tradicional vermelho e prata por uma camisa predominantemente prata com os números e detalhes em vermelho.

2019

Nova mudança na equipe técnica com a saída de Mateus Bressiane. Ricardo Roger Schaukoski assume como head coach auxiliado por Diego Maehler no ataque e Giovane Fabrício na defesa.

O início do ano foi difícil e com duas derrotas (19 x 6 para o Indians e 20 x 6 para o Black Sharks) e uma vitória (13 x 6 sobre o Olympians) o Red Feet ficou fora dos playoffs no Paranaense.

No segundo semestre, para a Copa Fronteira, que teve a participação de cinco equipes (Francisco Beltrão Red Feet, Foz do Iguaçu Black Sharks, Cascavel Olympians, Campo Mourão Black Rams e Curitiba Lions), Ricardo Schaukoski se concentra na defesa e o ataque fica a cardo de Rafael Mello.

Com duas vitórias seguidas (9 x 3 sobre o Olympians em casa e 30 x 0 sobre o Lions na capital) e uma derrota (16 x 13 para o Black Sharks) o Red Feet se habilita novamente à final, realizada em Cascavel numa acirrada disputa vencida pelo Olympians com o placar de 14 x 10.

Foi na estreia na Copa Fronteira que o Red Feet apresentou o novo visual do capacete, saindo de cena o visual todo negro para dar espaço a um layout vermelho com faixas prateadas.

2020

Agora com Leonardo Notaroberto no comando do ataque, o Paranaense começou equilibrado com derrota para Indians por 14 x 7 em Santa Catarina e vitória sobre o Olympians por 20 x 14 em Cascavel.

Em virtude da pandemia de Covid-19 a competição foi suspensa e o jogo contra o Black Sharks, que aconteceria em Francisco Beltrão, não aconteceu, assim como todos os treinamentos foram interrompidos.

Apesar do ano atípico uma grande vitória veio fora do campo, com a assinatura do patrocínio com a cooperativa Cresol.

2021

Em meio à paralisação causada pela pandemia, o Red Feet conseguiu realizar a votação de uma nova diretoria, que manteve Eva Adriana Petry como presidente, mas trouxe novos nomes como: Sabrina França (vice-presidente), Luana Cristina Engels (1ª secretária), Ana Cláudia Compagnoni Guntzel de Oliveira (2ª secretária), Luana Oliveira (vice-diretora de esportes) e Igor Boito (vice-diretor de marketing).

logos_red feet.png
site_red feet dv.jpg
site_red feet x hp.jpg
red feet_uniformes.png

Treinos em 2011, ainda com o nome Dois Vizinhos Red Feet.

Sudoeste Red Feet enfrenta o Paraná HP, em 2014.

Evolução do uniforme.

Evolução do logo.

site_red feet treino.jpg

Há muito tempo, num treino muito distante...

site_red feet_pinhao bowl IMG_6824.jpg

Pinhão Bowl conquistado em 2017.

site_red feet 2019 olympians_IMG_3522.jp
site_red feet 2019 lions_IMG_1057.jpg

Jogando em casa, no Arrudão, contra o Olympians pelo Paranaense de 2019.

Jogo da Copa Fronteira de 2019, em Curitiba, contra o Lions.

site_red feet copa fronteira 2016_IMG_42

Conquista da primeira Copa Fronteira, em 2016, como Sudoeste Red Feet com jogos em Marmeleiro.

site_red feet indians 2018_IMG_8427.jpg

Contra o São Miguel Indians no Estádio Anilado pela Copa Fronteira de 2018.

pinhao bowl_250.png